Certificado Cadastur - Ministério do Turismo do Brasil - 26.064298.80.0001-2

Mundial de Ciclocross: Van der Poel é tetracampeão

  • 03/02/2021

Van der Poel conquista o título mundial do ciclocross pela quarta vez


Matéria originalmente publicada no site Bike Magazine

O holandês Mathieu van der Poel conquistou neste domingo (31 de janeiro) seu quarto título de campeão mundial de ciclocross. O dono da camisa arco-íris, conquistada pela primeira vez em 2015 e, depois, em 2019 e 2020, enfrentou uma queda na segunda volta no circuito em Ostend, na Bélgica, mas se recuperou rapidamente.

Seu principal adversário, o belga Wout van Aert, perdeu tempo com um furo na terceira volta e terminou com a medalha de prata. O belga Toon Aerts ficou com a medalha de bronze depois de derrotar o britânico Tom Pidcock. 

Van der Poel conquistou vitória solo e encerrou com vantagem de 37 segundos. “O pneu furado de Van Aert foi um pouco de sorte da minha parte, mas naquele momento não senti que a corrida tinha acabado ainda,” disse. “O percurso mudou e ficou um pouco mais rápido no trecho da praia e só aí me senti um pouco melhor. A essa altura já sentia as pernas melhores e melhorei a cada volta correndo na areia, então a sensação boa foi crescendo volta a volta e isso fez a diferença para mim. ”

Prova sem público na cidade costeira de Ostend, na Bélgica
Devido às restrições da Covid-19, a prova não teve público. “O título significa muito, mas é realmente estranho e não pareceu um Campeonato Mundial, não há multidão, nem amigos ou a família”, comentou Van der Poel.

A disputa em Ostend começou forte, com Pidcock e Van Aert brigando pela ponta na primeira curva. À medida que o percurso se estreitava, Pidcock e o tcheco Zdenek Stybar estavam entre os que ficaram para trás. Van Aert chegou ao trecho de areia primeiro, seguido de perto por Van Aert. Os dois mostraram suas habilidades na areia e se livraram dos perseguidores.

Van der Poel se recuperou de queda e conquistou vitória solo, com Van Aert em segundo
Na segunda volta, no trecho de areia, Van Aert acelerou. Sob pressão, Van der Poel caiu sobre as barras em um trecho lamacento enquanto tentava diminuir a distância para seu rival. Van Aert chegou a abrir 15 segundos de vantagem, mas, na terceira volta, Van der Poel já encostava novamente.

Na ponta, Van Aert teve um furo e Van der Poel passou direto. Com mais da metade da prova pela frente, o holandês dominou e ninguém mais o alcançou. Ao toque do sino da volta final, Van der Poel tinha uma margem de 29 segundos.


TOP 10

1 Mathieu van der Poel (Holanda) 0:58:57
2 Wout van Aert (Bélgica) 0:00:37
3 Toon Aerts (Bélgica) 0:01:24
4 Thomas Pidcock (Grã-Bretanha) 0:01:37
5 Laurens Sweeck (Bélgica) 0:02:05
6 Michael Vanthourenhout (Bélgica) 0:02:14
7 Eli Iserbyt (Bélgica) 0:02:18
8 Quinten Hermans (Bélgica) 0:02:23
9 Lars van der Haar (Holanda) 0:02:41
10 Joris Nieuwenhuis (Holanda) 0:03:15

 

Mais resultados

O Mundial de Ciclocross começou no sábado com as provas da Sub 23 masculino e Elite feminino. Neste domingo, além da Elite masculino, também teve a disputa da Sub 23 feminino.

Na Elite das mulheres, o pódio foi 100% holandês, com Lucinda Brand campeã, Annemarie Worst em 2º, a 8 segundos, e Denise Betsema em 3º, a 19 segundos. Esta foi a primeira conquista de Brand, que tem 31 anos. A nova campeã mundial estava lado a lado com Annemarie Worst nas últimas curvas, mas a adversária caiu no trecho final. Quem também foi prejudicada por uma queda foi a campeã de 2020, a também holandesa Ceylin Del Carmen Alvarado, que acabou terminando em 6º lugar.

Na Sub 23 masculino, o vencedor foi o holandês Pim Ronhaar, de 19 anos, que assumiu a liderança na segunda volta e venceu com vantagem de 8 segundos o compatriota Ryan Kamp. O belga Timo Kielich ficou em 3º, a 14 segundos.

Na Sub 23 feminino, a vencedora foi a holandesa Fem van Empel, que bateu a compatriota Aniek van Alphen. Blanka Kata Vas, da Hungria, ficou em 3º lugar.

 

Ciclocross

O ciclocross, também chamado de cyclo-cross, cyclocross, CCX, CX, cyclo-x ou simplesmente cross, começa sua temporada no final do outono e se estende pelo inverno antes da temporada de ciclismo, que recomeça em fevereiro e é considerado uma das modalidades mais completas de todo o espectro do ciclismo pois agrega elementos do mountain bike cross country e das provas de ciclismo de critério.

Sua origem mais aceita é a de que, no início do século 20, ciclistas europeus de pequenas localidades competiam uns contra os outros para ver quem chegava primeiro ao centro de determinada cidade. Valia o menor tempo, não importava o caminho. Assim, muitos cortavam caminho pelas fazendas pulando cercas, porteiras, atravessando rios e pedalando por trilhas e estradinhas de terra. Esses rachas eram praticados no inverno, fora da temporada de competição, para manterem a forma e eles observaram que essa atividade, por conta do maior esforço físico, melhorava bastante o condicionamento para a temporada seguinte.

Não demorou até que a recém-criada modalidade ganhasse regras e competições próprias. O francês Daniel Gousseau organizou o primeiro Campeonato Francês, em 1902, e Géo Lefévre, tido como um dos pais do Tour de France, também é um dos pioneiros a organizar esses eventos. A modalidade atravessou a fronteira para os países vizinhos depois que Octave Lapize, campeão do Tour de France de 1910, declarar que a vitória só foi possível graças à preparação feita durante o inverno no ciclocross. Assim, o CX chegou à Bélgica, que realizou seu Campeonato Nacional em 1910, à Suíça, que fez o mesmo em 1912, em Luxemburgo em 1923, Espanha em 1929 e à Itália em 1930.

Desde 1940, o ciclocross está sob a chancela da UCI, que organizou o primeiro Campeonato Mundial em 1950, em Paris. Nos Estados Unidos, a modalidade começou a se popularizar em 1970, mas só em 1975 foi realizada a primeira corrida, no estado da Nova Inglaterra. Após chegar à Califórnia o esporte ganhou impulso e popularidade a partir de meados dos anos 90.

As provas são disputadas em circuitos com obstáculos dos mais variados tipos e a tradicional foto do ciclista com a bike nas costas é a primeira imagem que vem à cabeça quando o termo ciclocross é mencionado.

Compartilhe

Curta nossa Fan Page

Veja também

Bikers Rio Pardo | Notícia | Comunicado Oficial - 4º Ciclo Aventura Furnas

Comunicado Oficial - 4º Ciclo Aventura F...

Comunicado Oficial - 4º Ciclo Aventura Furnas

Bikers Rio Pardo | Notícia | Mountain Bike em Tóquio: Jaqueline Mourão vai para sua sétima Olimpíada; veja quais brasileiros garantiram vaga

Mountain Bike em Tóquio: Jaqueline Mourã...

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) divulgou nesta segunda-feira (30) os três classificados... veja +

Bikers Rio Pardo | Notícia | Mudanças no código de transito podem melhorar a vida do ciclista em 2021

Mudanças no código de transito podem mel...

Dentre as 57 mudanças no código de transito, algumas impactam diretamente a vida dos cicli... veja +

Bikers Rio Pardo | Notícia | 10 razões para se empolgar com as E-bikes

10 razões para se empolgar com as E-bike...

Uma coisa é fato, elas vieram para ficar. As vendas de E- bikes vem aumentando desde 2016... veja +

ACESSE O SITE

Ainda não possui conta? Clique aqui para se cadastrar!

Esconder

Recuperar senha?

Perdeu a senha? Informe o seu e-mail. Você receberá um link para recuperar a senha.

Mensagem de erro!



Voltar para login

Fechar