Certificado Cadastur - Ministério do Turismo do Brasil - 26.064298.80.0001-2

Brasileiro roda o mundo em uma bicicleta de bambu

  • 11/09/2017

Ricardo Martins terminou de percorrer a África, primeiro continente da viagem em que observa desafios de mobilidade


Por onde passa, Dulcineia – duas rodas e corpinho de bambu – chama a atenção. “Onde quer que eu esteja, as pessoas sempre se aproximam primeiro da bicicleta e depois, por consequência, de mim”, conta Ricardo Martins, de 32 anos, dono da “Dulci”, como carinhosamente apelidou a “magrela” que o acompanha na maior aventura de sua vida: uma volta ao mundo pedalando. 

O brasileiro, que começou a viagem em 4 de abril do ano passado na Cidade do Cabo (África do Sul), terminou de atravessar o continente em agosto, depois de passar por sete países, cruzar o deserto do Saara até chegar ao Egito. Foram, ao todo, 14 mil quilômetros e 12 quilos perdidos.  

Formado em Ciências Sociais, Martins faz a viagem de olho em soluções de mobilidade urbana nos países por onde passa. “Entrevisto as pessoas do poder público e da sociedade civil em cada país, pelo menos nas capitais, para ver quais os problemas (de mobilidade) que encontram e as soluções.” 

Uma organização não-governamental ajudou a fazer os questionários e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) compila os dados. “Aproveitamos que ele está rodando o mundo para entender as diferentes políticas 'cicloinclusivas', que abraçam a bicicleta como ferramenta de transformação”, explica Juliana DeCastro, de 34 anos, doutoranda da universidade e uma dos três pesquisadores responsáveis por organizar as informações enviadas por Martins.

O grupo ainda ajuda o ciclista no mapeamento de organizações e entidades do governo que possam ser entrevistadas. E o roteiro dele pelos países acaba ajudando a conectar estes atores. “Como é um projeto de longo prazo, temos a possibilidade de construir uma rede muito interessante e de começar a pensar até em parcerias para pesquisas internacionais.”

Para Martins, os dilemas sociais das cidades interferem na mobilidade das pessoas. “Na África do Sul, a segurança pública é muito deficitária e não dá para incentivar as pessoas a andar de bicicleta porque elas não podem cruzar de uma área para outra, entre bairros negros e brancos, por exemplo.” 

Como em muitas regiões do Brasil, o viajante percebeu que a bike na África nem sempre é uma questão de escolha. “Em cidades muito pequenas, todo mundo usa bicicleta porque não existe outro meio. É muito comum na África que não exista transporte público nem transporte 24 horas até em cidades muito populosas, como Nairóbi (capital do Quênia). O carro vai tomando um espaço muito grande”, conta.  

Simplicidade. Confeccionada com bambu, a bicicleta de Martins é, mais do que meio de transporte, personagem simpático da aventura. “Se eu chegar com uma bicicleta de carbono, sinistra, cheia de suspensão, automaticamente viro o 'riquinho'. É como se eu chegasse em vilarejos isolados com uma Ferrari. Cria uma distância social muito grande. Mas o bambu aproxima, vira um quebra-gelo.”

Apesar de simples, a Dulcineia deu conta de extremos como a chuva na Etiópia e a secura do deserto, conta Martins. “Já quebrei roda, guidão, câmbio, mas o bambu segue intacto. Ela foi feita a mão, sob medida para mim. Foi projetada para uma volta ao mundo e se encaixa perfeitamente. É uma paixão para a vida inteira”. 

Com a bicicleta, Martins percorre cerca de 100 quilômetros por dia e leva com ele, em média, 50 quilos – “só o básico”, garante. A bagagem, acoplada à bike como dá, inclui roupas, barraca de camping, saco de dormir, equipamentos para cozinhar, algumas ferramentas para consertar a bicicleta e um celular, que usa para tirar foto, fazer vídeos e se comunicar com a família. “Tudo o que eu tinha, eu dei. Vou aprendendo a otimizar o espaço e precisar de cada vez menos. O peso diminui com o tempo.”

Pelos países africanos por onde passou, Martins preferiu dormir em vilarejos a hotéis – e não só para economizar. “Em vez de pagar 10 dólares em um quarto, posso ficar na casa de uma família e gastar 10 dólares fazendo um jantar para todo mundo. Assumo uma relação humana e não comercial. Isso muda muito a forma de absorver a viagem.” 

O ciclista não tem patrocínio, mas conta com a ajuda de apoiadores, que participam com pequenas quantias por mês. Com isso, consegue cerca de 300 dólares mensais para gastos com alimentação e vistos. Os apoiadores recebem, em troca, “souvenirs” nada convencionais, como mensagens carinhosas em vídeo de moradores de diversas partes do mundo. 

Também podem descobrir costumes das regiões, com a ajuda de Martins. “Fiquei uma semana com os maratonistas quenianos. Então, abri uma live (vídeo ao vivo) para os apoiadores perguntarem tudo: por que eles são os melhores do mundo, dieta e treinamento. Faço da viagem algo que vai além de mim, vira um desafio coletivo.”

 

Aventura. A família e os amigos – já calejados após uma viagem longa que Martins fez pela América do Sul – hoje lidam com mais tranquilidade com a aventura. “Tenho um acordo com a minha mãe de contar qualquer coisa que aconteça a ela. Às vezes eu digo de escabrosidades, super riscos, como cruzar a zona de guerra civil na África. Ela sempre sabe o que está acontecendo. Minha mãe virou mãe-de-viajante profissional. Pode ser consultora”, brinca. 

Para ele, apesar dos “perrengues”, ou por causa deles, a experiência no continente africano foi transformadora. “A África é outra coisa. Pega tudo o que você imagina, guarda e começa do zero. Aí ela começa a ser absolutamente mágica”. A tendência de generalizar a região pelo estereótipo da pobreza, segundo Martins, não faz sentido. “A cada país, as coisas mudam completamente. A África miserável é exceção e não regra. O normal é que ela seja absolutamente forte, pujante, cheia de alimento e com pessoas fortes e alegres.”

Agora, Martins e Dulcineia, que já recebeu merecidas mãos de verniz, vão descobrir os solos europeus. Em setembro, ele dará uma palestra na Alemanha pelo TED – grupo que organiza conferências sem fins lucrativos – sobre a experiência em duas rodas na África. Então, partirá pela Europa até chegar à Rússia no verão. A previsão é viajar pela Ásia, Oceania e voltar às Américas em cinco anos. Para depois, ainda não há planos. “Na África, me perguntavam: 'mas por que você está fazendo essa volta ao mundo?' E eu dizia: 'porque é meu sonho'. Não consigo imaginar um objetivo maior do que um sonho.”

Por: Estadão.com.br

Compartilhe

Curta nossa Fan Page

Veja também

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Britânico dá volta ao mundo de bike em 79 dias e quebra recorde

Britânico dá volta ao mundo de bike em 7...

O britânico Mark Beaumont, de 34 anos, completou uma volta ao mundo de bike em 79 dias, es... veja +

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Ela é avó de 3 e pedalou um Everest em um dia

Ela é avó de 3 e pedalou um Everest em u...

Você já ouviu falar no Everesting? O desafio consiste em escolher uma subida e repeti-la a... veja +

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Ciclista que vive sobre duas rodas há mais de uma década passa por Curitiba antes de seguir ao Machu Picchu

Ciclista que vive sobre duas rodas há ma...

Depois de perder toda a família aos 13 anos em um naufrágio, Vinícius da Silva escolheu a... veja +

Bikers Rio Pardo | SUA HISTÓRIA | Ciclistas percorrerão 1000km pela Europa para comemorar 30 anos de casados

Ciclistas percorrerão 1000km pela Europa...

Osmar e Nádia Chor moram em Sorocaba, no interior paulista, e farão viagem em rotas histór... veja +

ACESSE O SITE

Ainda não possui conta? Clique aqui para se cadastrar!

Esconder

Recuperar senha?

Perdeu a senha? Informe o seu e-mail. Você receberá um link para recuperar a senha.

Mensagem de erro!



Voltar para login

Fechar

Próximo Evento: 7º Pedal Sport PURA VIDA - Poços de Caldas - 22/10/2017

Bikers Rio Pardo | 7º Pedal Sport PURA VIDA - Poços de Caldas