Certificado Cadastur - Ministério do Turismo do Brasil - 26.064298.80.0001-2

Bicicleta elétrica: solução ou dor de cabeça?

  • 09/08/2014

Solução ambiental e para otimização do tempo, bike elétrica sofre problemas com legislação.<br /> Com o caos do trânsito nas grandes cidades, a bicicleta elétrica vem ganhando popularidade como meio de transporte alternativo. São diversos os motivos que levam o usuário a optar por esta solução.


Solução ambiental e para otimização do tempo, bike elétrica sofre problemas com legislação 

Com o caos do trânsito nas grandes cidades, a bicicleta elétrica vem ganhando popularidade como meio de transporte alternativo. São diversos os motivos que levam o usuário a optar por esta solução. Muitos já não suportam o trânsito, outros decidiram adotar um estilo de vida mais saudável e sustentável ou simplesmente decidem não arcar com os altos custos de se ter um carro. 

As bikes elétricas funcionam com baterias de lítio, mais leves, e algumas delas não possuem metais pesados, o que reduz também o risco de contaminação do meio ambiente. A velocidade máxima geralmente gira em torno dos 25 km/h e a potência costuma ser de aproximadamente 250 W. O espírito da coisa é que o motor elétrico auxilie o condutor, que não deve se eximir de pedalar. A solução é interessante para quem deseja evitar a transpiração excessiva, já que pode não ser conveniente chegar ao trabalho ou a uma festa muito suado, problema que a bike elétrica pode ajudar a resolver. 

No entanto, o uso destas bicicletas vem gerando muita polêmica no que diz respeito à regulamentação. Segundo o Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN), estão atualmente equiparadas aos veículos ciclomotores, exigindo habilitação para conduzi-las, assim como o emplacamento e o uso do equipamento adequado. Ainda de acordo com o órgão, uma eventual mudança na regulamentação tem de partir do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN), que regula o Código de Trânsito Brasileiro ou do Congresso Nacional, que poderia legislar sobre a matéria. 

Para aumentar a polêmica, a prefeitura do Rio de Janeiro baixou um decreto igualando as bikes elétricas às comuns, desde que não ultrapassem os 20km/h e o condutor tenha mais de dezesseis anos. Deste modo, ficariam excluídas as exigências vinculadas à condução de ciclomotores, já que a bicicleta elétrica não é considerada como tal. Pelo que tudo indica a polêmica vai longe. Por enquanto, parece que o mais seguro é andar bem devagar com a bike elétrica ou optar por uma tradicional, movida apenas pelos músculos. 

Fonte: eCycle

Compartilhe

Curta nossa Fan Page

Veja também

Bikers Rio Pardo | Artigo | Como pedalar nas 4 Estações,

Como pedalar nas 4 Estações,

Mantenha seu corpo em forma 365 Dias

Bikers Rio Pardo | Artigo | Cicloturismo para melhorar o mundo

Cicloturismo para melhorar o mundo

A bicicleta é um veículo agradável e eficiente não apenas para ir até a padaria da esquina... veja +

Bikers Rio Pardo | Artigo | 4 benefícios cardiorrespiratórios do ciclismo

4 benefícios cardiorrespiratórios do cic...

Pedalar pode ser mais do que um hobbie, e se transformar também numa ferramenta potente pa... veja +

Bikers Rio Pardo | Artigo | Os benefícios da acupuntura em atletas amadores de triathlon com algias.

Os benefícios da acupuntura em atletas a...

Os atletas de triathlon de alto rendimento, mesmo não profissionais, referem a dor como pr... veja +

ACESSE O SITE

Ainda não possui conta? Clique aqui para se cadastrar!

Esconder

Recuperar senha?

Perdeu a senha? Informe o seu e-mail. Você receberá um link para recuperar a senha.

Mensagem de erro!



Voltar para login

Fechar

Próximo Evento: Ciclo Aventura - A confirmar - 22/07/2018

Bikers Rio Pardo | Ciclo Aventura - A confirmar